14 de Maio de 2010

Letra:

Limitando, qual novo colosso,
O ocidente do imenso Brasil,
Eis aqui, sempre em flor. Mato Grosso,
Nosso berço glorioso e gentil !

Eis a terra das minas faiscantes,
Eldorado como outros não há
Que o valor de imortais bandeirantes
Conquistou ao feroz Paiaguás !

Salve, terra de amor, terra do ouro,
Que sonhara Moreira Cabral !
Chova o céu dos seus dons o tesouro
Sobre ti, bela terra natal !

Terra noiva do Sol ! Linda terra !
A quem lá, do teu céu todo azul,
Beija, ardente, o astro louro, na serra
E abençoa o Cruzeiro do Sul !

No teu verde planalto escampado,
E nos teus pantanais como o mar,
Vive solto aos milhões, o teu gado,
Em mimosas pastagens sem par !

Salve, terra de amor, terra do ouro,
Que sonhara Moreira Cabral !
Chova o céu dos seus dons o tesouro
Sobre ti, bela terra natal !

Hévea fina, erva-mate preciosa,
Palmas mil, são teus ricos florões,
E da fauna e da flora o índio goza,
A opulência em teus virgens sertões.

O diamante sorri nas grupiaras
Dos teus rios que jorram, a flux,
A hulha branca das águas tão claras,
Em cascatas de força e de luz.

Salve, terra de amor, terra do ouro,
Que sonhara Moreira Cabral !
Chova o céu dos seus dons o tesouro
Sobre ti, bela terra natal ! 

Dos teus bravos a glória se expande
De Dourados até Corumbá,
O ouro deu-te renome tão grande
Porém mais, nosso amor te dará !

Ouve, pois, nossas juras solenes
De fazermos em paz e união,
Teu progresso imortal como a fênix
Que ainda timbra o teu nobre brasão.

Salve, terra de amor, terra do ouro,
Que sonhara Moreira Cabral !
Chova o céu dos seus dons o tesouro
Sobre ti, bela terra natal !